Quarta , 21 de Fevereiro de 2018
 
Coluna de Jorge Portugal
 

Quem votou em Tiririca?

Quem votou em Tiririca?
Assim que as urnas gritaram, gritaram também os editoriais indignados dos jornalões do sudeste e similares denunciando a tragédia eleitoral a macular a alma brasileira.Gritaram ainda acadêmicos de gestos contidos e estudados, senhoras quatrocentonas, defensoras de uma aristocracia social em perigo, “formadores de opinião” cansados de rabiscar caminhos que o povo ignora.A revolta se traduzia em números: Um milhão e trezentos mil votos! Mas... quem teve a coragem de votar em Tiririca? A hipocrisia pergunta e a História responde:

Votou em Tiririca a mentalidade atrasada e tacanha que teima em reduzir o que seria um belo debate político em um bate-boca eleitoral sobre aborto e fé religiosa.O programador de rádio analfabeto musical que, misturando jabá e mau gosto, transforma em retumbante e permanente sucesso nacional sertanejos chorosos e piegas.O “classe-média- ganhador- de- grana” que resume a vida no conforto fajuto de um consumismo degenerado e transmite isso a seus filhos como nova religião familiar.Líderes religiosos de todos os credos que transformam fieis em gado manso, pobres diabos sem alma com medo de demônios e outros exterminadores da razão.Votaram em Tiririca todos os que alimentam um sistema de ensino desconectado do real e da contemporaneidade, que mantém currículos medievais e provocam a juventude a tomar horror à escola e ao conhecimento.As “cabeças brilhantes da mídia” que fazem da TV aberta brasileira um pasto de conteúdos imbecis, com uma programação que transforma, cada vez mais, telespectadores em “abestados”.O arraigado preconceito e indisfarçável racismo da elite brasileira euro-descendente e machista que jamais se conformará com mulheres, nordestinos, negros e não-diplomados ocupando qualquer fatia de poder, por mais tênue e simbólico que seja.

Todos eles podem até não ter depositado o voto na urna na última eleição; mas que votaram, votaram.

Depois de todos esses sufrágios e outros mais que não couberam neste artigo, sobra espaço apenas para a pergunta final: quem, de verdade, neste país, pode ser chamado de palhaço?

Jorge Portugal

Educador e compositor
E-mail> secretaria@jorgeportugal.com.br
 

Quem votou em Tiririca?

Assim que as urnas gritaram, gritaram também os editoriais indignados dos jornalões do sudeste e similares denunciando a tragédia eleitoral a macular a alma brasileira.Gritaram ainda acadêmicos de gestos contidos e estudados, senhoras quatrocentonas, defensoras de uma aristocracia social em perigo, “formadores de opinião” cansados de rabiscar caminhos que o povo ignora.A revolta se traduzia em números: Um milhão e trezentos mil votos! Mas... quem teve a coragem de votar em Tiririca? A hipocrisia pergunta e a História responde:

Votou em Tiririca a mentalidade atrasada e tacanha que teima em reduzir o que seria um belo debate político em um bate-boca eleitoral sobre aborto e fé religiosa.O programador de rádio analfabeto musical que, misturando jabá e mau gosto, transforma em retumbante e permanente sucesso nacional sertanejos chorosos e piegas.O “classe-média- ganhador- de- grana” que resume a vida no conforto fajuto de um consumismo degenerado e transmite isso a seus filhos como nova religião familiar.Líderes religiosos de todos os credos que transformam fieis em gado manso, pobres diabos sem alma com medo de demônios e outros exterminadores da razão.Votaram em Tiririca todos os que alimentam um sistema de ensino desconectado do real e da contemporaneidade, que mantém currículos medievais e provocam a juventude a tomar horror à escola e ao conhecimento.As “cabeças brilhantes da mídia” que fazem da TV aberta brasileira um pasto de conteúdos imbecis, com uma programação que transforma, cada vez mais, telespectadores em “abestados”.O arraigado preconceito e indisfarçável racismo da elite brasileira euro-descendente e machista que jamais se conformará com mulheres, nordestinos, negros e não-diplomados ocupando qualquer fatia de poder, por mais tênue e simbólico que seja.

Todos eles podem até não ter depositado o voto na urna na última eleição; mas que votaram, votaram.

Depois de todos esses sufrágios e outros mais que não couberam neste artigo, sobra espaço apenas para a pergunta final: quem, de verdade, neste país, pode ser chamado de palhaço?

Jorge Portugal

Educador e compositor
E-mail> secretaria@jorgeportugal.com.br

Publicado em 19/10/2010 ás 22:23

Leia Também
 

 
 
 
Empresa de Editorao de Jornais e Revistas Ltda-Me Todos os Direitos Reservados.
Rua do Pass, n 114, Andar 1, Centro- CEP: 43.805-090
Candeias - BA
Fone: 71- 3601-9220 / 71- 98633-1278 /
Email: folhareconcavo@gmail.com