Terça , 20 de Fevereiro de 2018
 
Coluna de Marli Gonçalves
 

Bum! Medo

 A gente já anda ressabiada com tanta coisa, e agora essa. Explosões, estouros e petardos. Qualquer traque, estrondo ou barulho mais forte a vontade que dá já é a de sair correndo, ou se encolher, coisa que, aliás, estamos fazendo a cada dia mais: nos encolhendo à nossa insignificância. E tem tanta coisa que explode sem nem fazer barulho...

Caramba, que cena de guerra foi pouco para descrever o estrago da linha de chegada da maratona de Boston. Bastaram dois irmãos alucinados de boné na cabeça e cara comum, duas mochilas, duas panelas de pressão, pregos e alguns detalhes para parar a respiração do mundo inteiro. Uma faísca, em outro lugar, quase implode uma cidade. É o horror, o terror, que nos descobre a bunda, por mais que tentemos nos esconder. Mas não há o que fazer, a não ser viver.

Ando cismando muito, buscando entender nossos novos tempos, mas parece impossível porque não há mais qualquer lógica. Se ocupássemos as ruas, usando-as, e não mais nos fechando em shoppings e condomínios, se fizéssemos sempre movimento, dia e noite, nos encontraríamos mais, estaríamos mais fortes? 

Mas os bueiros explodem no nosso caminho; os botijões de gás mandam aos ares portas, portões e janelas. E motos e carros com escapamento aberto nos torturam com explosões de estourar tímpanos, arregalar os olhos, disparar o coração. Qual é a graça que há em atormentar as pessoas assim? 

Fossem só as grandes explosões nossos tormentos! Fossem só onomatopéias - Boom!Bum! Buum! Cabrum! - e fossem só as explosões ouvidas as que nos afligem. Não, até nosso humor explode com o noticiário e inação das autoridades. Nosso saco estoura de tanto guardar e aguardar as promessas que teimamos em acreditar que serão levadas, no mínimo, a sério.

O mundo anda cheio de estampidos, explosões, estouros e arrebentações nos tornando medrosos e nervosos, muito nervosos, tensos até a medula. São jovens ainda com espinhas espoucando no rosto alguns dos nossos algozes, muitos nascidos da falta de cuidados pura e simplesmente ou do estouro de camisinhas, e que reproduzem comportamentos - já não se emocionam mais. 

Explodem, muitas vezes até sem deixar rastros, pedra sobre pedra, amores, amizades, famílias. Muitas vezes porque verdadeiras bombas chegam para infernizar, e informações podem ser sim explosivas, mesmo que não necessariamente jornalísticas. Bomba!Bomba!Bomba! - anunciamos ironicamente antes de fazermos grandes revelações.

Estoura a bolsa da mulher que corre para a maternidade rezando por ser atendida. E que continuarão rezando para que seus filhos completem suas vidas ano após ano, e que ela possa comemorar esses aniversários entre muitos balões coloridos, aqueles poucos que estouram e ainda nos fazem rir.

Estoura a Bolsa de Valores quando pressente algum movimento dos grandes batedores de carteira, dos investidores que negociam com a nossa sorte. 

Estoura nossa paciência, a conta no banco, explodem as rugas e estrias em nossos corpos. Agora, temos que correr, e muito, porque lá vem outro estouro por aí, e que pode implodir muitos sonhos: a inflação.

Ficamos sentados como bolhas, não sobre um, mas sobre vários barris de pólvora. 
 

São Paulo, pavios curtos, 2013


Marli Gonçalves é jornalista - - Conseguiu estourar a tela do celular na correria do dia a dia, e o tendão do pé nos buracos da vida.

Publicado em 20/04/2013 ás 00:31

Leia Também
 

 
 
 
Empresa de Editoração de Jornais e Revistas Ltda-Me Todos os Direitos Reservados.
Rua do Passé, nº 114, Andar 1, Centro- CEP: 43.805-090
Candeias - BA
Fone: 71- 3601-9220 / 71- 98633-1278 /
Email: folhareconcavo@gmail.com