Terça , 20 de Fevereiro de 2018
 
Coluna de Marli Gonçalves
 

Substituídos

 Vivemos vendo ser feito, toda hora. Também fazemos. E até nós próprios acabamos sendo substituídos, ou substituindo - coisas, atos e hábitos, pessoas. A cada vez a velocidade é mais alucinante. O que nos leva quase a ser descartáveis, recicláveis. Tem um lado bom.
 

Uma coisa trocada por outra. Uma pessoa trocada por outra. Nada mais é indispensável? "Ninguém é insubstituível" é uma das máximas mais cruéis que conheço. Tanto que tem até livro de autoajuda para quem se sentir largado não sofrer tanto, e pelo que vi vendeu igual água. Nele se encontram pérolas como "Se os seus projetos não saturarem a sua emoção, você não terá perseverança para executá-los". Enfim, como cada um entende mesmo o que quer do que lê...

Na doidivana loucura do cotidiano esse assunto entrou na minha pauta, acreditem, quando passaram por mim dois PMs motorizados. Imediatamente lembrei-me da cavalaria e do garbo com que seus cavaleiros desfilavam, mesmo quando estavam correndo atrás da gente em passeatas contra a ditadura. Havia certa nobreza que adorávamos ver desfeita jogando bolas de gude para que escorregassem e se esborrachassem. Parávamos um pouco de correr deles só para dar uma boa risada de deboche; depois, sebo nas canelas!

Hoje há poucos montados. Montam em motos. E isso não só a polícia, como a população deste país e seus rincões. Cavalos trocados por bicicletas, depois por motos, carros, até chegar ao suprassumo dos enormes utilitários que inundam as ruas como símbolo de prosperidade. Os jegues, coitados, vêm sendo largados à sorte, nas estradas, famintos, um dos novos dramas particularmente lá no Nordeste. Outro dia, inclusive, vi um documentário que mostrava famílias inteiras amontoadas em cima de uma moto, até cinco pessoas e pessoinhas, sem qualquer proteção, causando congestionamento, mas de números de acidentados nos hospitais. Problemas que não há Mais Médicos que resolvam.

A vida é uma sucessão de substituições. Esposas são trocadas por amantes que, esposas, acabam substituídas (ou substituindo). Tem muita gente trocando cachorro por gato, que dá menos trabalho. Por aí vai longe: conversas olho no olho são trocadas por celulares e outras traquitanas, algumas até com visor. Lembram quando pensávamos como seria quando pudéssemos ver a cara da pessoa do outro lado da linha? Parecia distante. Pois não é, foi?

Lembrei de quantas coisinhas mais do dia a dia foram substituídas sem que ninguém chorasse muito por elas: fusíveis, videocassete, LPs, CDs, fita cassete. Mudamos tudo, trocamos as coisas, às vezes até pensando em ajudar o planeta. O porco deve estar atento com seu focinho já que até as tomadas foram substituídas. Daqui a pouco vai ser tudo movido por digital, íris, força do pensamento. Toque por tique. Alhos por bugalhos.

Os vidros já foram substituídos por plásticos. Os sabores e ingredientes reais por corantes e aromatizantes. Lá se foram velhos hábitos, até como o de ler jornais e revistas no banheiro, trocados por joguinhos infernalmente viciantes, ou momento para participação nas redes sociais - coisas permitidas pelo desenvolvimento do Wi-Fi que também acabou por libertar muitos das cadeiras e dos computadores fixos. Aliás, no banheiro houve muitas substituições: papel higiênico por mangueirinhas, sabonete em barra por espumas espumantes de limpeza, buchas por cremes esfoliantes.

É. Nada tem mesmo tem muita garantia de ser insubstituível. Nem ratinho de laboratório. Nem ator, atriz, tantos dublês prontos por aí. Técnicos são substituídos igual como se troca de cor de camisa - no futebol é uma loucura. Por aqui até médicos brasileiros vêm sendo substituídos, além de veteranos virando novatos, palavra em voga nos últimos tempos.

Por falar nisso, as palavras também foram substituídas. Nada mais é vendido; é comercializado. Fora o terrível "inicializando" dos sistemas de informática. Mas, se até - eu pelo menos não vejo faz tempo - muitos aposentaram as velhas palavras cruzadas!

Só que tem coisas que é bom ficar bem atento, e que estão galopantemente sendo substituídas.

Como os argumentos, trocados por ataques. Ou o caráter agora trocado pela competitividade desmedida para tentar ser o melhor entre os melhores aqui da terra, para debaixo da qual todos nós vamos (ou virando pozinhos, cremados, como quero ser). Momento quando seremos realmente substituídos. Mas talvez, dependendo do que fizermos, substituídos, sim, mas jamais esquecidos.
 

Publicado em 24/09/2013 ás 19:03

Leia Também
 

 
 
 
Empresa de Editoração de Jornais e Revistas Ltda-Me Todos os Direitos Reservados.
Rua do Passé, nº 114, Andar 1, Centro- CEP: 43.805-090
Candeias - BA
Fone: 71- 3601-9220 / 71- 98633-1278 /
Email: folhareconcavo@gmail.com