Terça , 20 de Fevereiro de 2018
 
Coluna de Marli Gonçalves
 

CISMAS DE OUTONO

As folhinhas começam a amarelar, as cores todas vão mudando, e o mundo vai retornando às suas atividades lentamente, muito mais lentamente do que poderíamos desejar, em contraponto aos fatos que nos atropelam a cada dia. É uma estação tão intermediária quanto o suspense que teremos até o inverno, até a Copa e até as eleições, tudo ao mesmo tempo agora, como diriam os Titãs. As estações passam e parece que não aprendemos nada com elas

Vontade de às vezes sentar na calçada e fingir que estou na soleira da porta de uma grande casa de fazenda, de onde apenas vejo as coisas acontecerem, matutando. No caso, seria o galo cantando, a vaca mugindo, os porcos roncando e os pássaros cantando. Mas quando despenco para a realidade, mais fácil mesmo é estar sentada na calçada, com os carros buzinando, as serras cortando e com a água suja correndo no meio fio, onde, claro, todas as bocas-de-lobo estarão entupidas.

Minha imaginação da bucólica cena rural vem muito da leitura de Monteiro Lobato. Uma casa de fazenda com uma porta enorme e um varandão, daqueles de onde tudo se vê. Tia Nastácia fazendo bolo cheiroso. Dona Benta se embalando na cadeira, contando histórias. Acrescento apenas o fato de no meu sonho eu estar enrolando um cigarrinho de palha, e puxando prosa com os passantes, para saber das últimas. Ah, e chupando cana. Adoro isso, o que só dá para fazer em sonho mesmo. Só virando boneca de pano, que não engorda. 

O tempo está passando muito rápido. Não dá mais é para não reparar nisso, e acredito que somos nós que pisamos nos aceleradores, atropelando uma coisa atrás da outra. Tanta informação seguida de desinformação de uma forma não vista antes. O que vale hoje já era amanhã. E se até as leis mudam todos os dias, imagine quantas memórias são pisadas nessa correria. Quantas promessas jamais cumpridas. Quantos amores jamais vividos. Quantas coisas não conhecidas.

Me vi cismando com tudo isso, o estalo, não riam, foi depois de ouvir no rádio que Michael Jackson morreu em 2009. Tabefe. Não foi ontem? Vocês têm noção de que já se passaram mais de quatro anos? Quer outras datas? Diretas: 30 anos. 50 anos do dia que apagou o país durante 20 anos, e há quem ouse chamar aquela coisa de gloriosa. Quase 12 anos desse modelo de governo que joga uns contra os outros. 

Isso está fazendo mal pra a nossa memória, tenho percebido. Porque se você parar para lembrar, capaz será de esquecer de continuar andando e a coisa vem atrás correndo mais do que touro naquelas festas de rua da Espanha, mordendo nossos calcanhares. Olé! Olé! E se isso acontece com a gente que passou pelos fatos, a rapaziada que vem chegando não tem nem tempo de conhecer, quanto mais de revisitar. Podem, portanto, fácil, repetir os nossos erros. Será nisso que jogam?

Temo que isto já esteja ocorrendo. Quando vejo clamores por militares. Quando vejo amigos baterem no peito se autoproclamando conservadores. Quando não vejo críticas à ocupação militar policial nas manifestações. Quando só vejo jovenzinhos segurando cartazes em passeatas sem rumo, seguindo como gado para o matadouro onde morrerão por pancadas no primeiro rolo que pode ser arquitetado por um infiltrado de qualquer sorte: e com policiais ou não, já que eles estão prontos, rosnando, certamente putos pelas ordens superiores de acompanhar a gurizada, emparelhando, andando quilômetros como ocorreu essa semana em São Paulo no anódino ato, mais um, contra a Copa do Mundo. 

Vou continuar cismando. Estamos abreviando as estações. As da vida.  

Publicado em 17/03/2014 ás 09:58

Leia Também
 

 
 
 
Empresa de Editoração de Jornais e Revistas Ltda-Me Todos os Direitos Reservados.
Rua do Passé, nº 114, Andar 1, Centro- CEP: 43.805-090
Candeias - BA
Fone: 71- 3601-9220 / 71- 98633-1278 /
Email: folhareconcavo@gmail.com