Quarta , 21 de Fevereiro de 2018
 
Nacional
Publicada em 18 de Janeiro de 2018 ás 15:07:02

São Paulo lança medicação preventiva para populações vulneráveis ao HIV

Ludmilla Souza

 Uma nova tecnologia de prevenção ao HIV, o vírus da aids, a síndrome da imunodeficiência adquirida, começa a ser oferecida na cidade de São Paulo nesta quinta-feira (18). A Profilaxia Pré-Exposição (PrEP) consiste no uso de medicamentos antirretrovirais (ARVs) por soronegativos antes de uma exposição de risco ao HIV.

A prioridade para a PrEP são as populações-chave para a resposta ao HIV que vivem em situação de vulnerabilidade ao vírus e mantêm relações sexuais sem uso do preservativo, como profissionais do sexo, homens e mulheres trans, casais sorodiferentes (quando um tem HIV e o outro, não), gays e outros homens que fazem sexo com homens (HSH).

O supervisor de visual merchandising Paulo Rodrigo Silva Gonçalves, de 36 anos, usa a PrEP há três anos. Ele é um dos voluntários da fase de pesquisa do programa, que agora chega às populações-chave. Gonçalves segue o protocolo do programa, que indica o uso do preservativo, mas ressalta que a PrEP foi importante para os momentos de vulnerabilidade.

“Tive parceiros soropositivos, por isso, foi importante eu participar do programa. Indico a PrEP, principalmente para quem tem parceiros soropositivos e para qualquer outra questão, porque é muito vasta a opção de usar esse medicamento e por vários motivos.” Gonçalves diz que não sentiu efeitos colaterais. 

Na fase inicial, a profilaxia está disponível no Centro de Testagem e Aconselhamento (CTA) de Santo Amaro, na zona sul, bem como nos serviços de Assistência Especializada Butantã, na zona oeste, de Fidélis Ribeiro, na zona leste, e no de Ceci, na zona sul. Em fevereiro, a PrEP chega ao CTA Pirituba, na região norte.

A Profilaxia Pré-Exposição será oferecida também no Serviço de Extensão ao Atendimento de Pacientes HIV/Aids – Casa da Aids - Faculdade de Medicina da Universidade de São, Ambulatório de HIV/aods da Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e no Centro de Referência e Treinamento (CRT) em DST/Aids. No site do Ministério da Saúde há informações detalhadas para os interessados em usar o medicamento.

Além da capital paulista, 21 munícipios de 10 estados e o Distrito Federal vão disponibilizar a Profilaxia Pré-Exposição. São cidades como Manaus, Salvador, Fortaleza, Belo Horizonte, Recife, Curitiba, Rio de Janeiro e Porto Alegre. O Brasil é o primeiro país da América Latina a contar com a PrEP entre as alternativas de prevenção ao HIV em seu sistema público de saúde.

Atualmente, a tecnologia é comercializada na rede privada dos Estados Unidos, da Bélgica, da Escócia, do Peru e do Canadá e está disponível na rede pública de saúde da França e da África do Sul. A Profilaxia Pré-Exposição é recomendada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) desde 2012.

A PrEP faz parte de uma nova abordagem para resposta ao HIV. Trata-se de um cardápio de tecnologias de prevenção ao HIV/Aids, que inclui o tradicional preservativo, mas também a testagem, tratamento, imunização, diagnóstico, redução de danos, prevenção à transmissão vertical e a Profilaxia Pós-Exposição, que dão à pessoa e ao profissional de saúde a possibilidade escolher uma metodologia ou combinar várias que se adaptem às necessidades e ao momento de vida do usuário.

Na capital paulista, o PrEP foi lançado no CTA de Santo Amaro, na presença das coordenadoras municipal e estadual de DST/Aids de São Paulo, Cristina Abbate e Maria Clara Gianna, respectivamente, e da diretora do Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, do HIV/AIDS e das Hepatites Virais (DIAHV), do Ministério da Saúde, Adele Schwartz Benzaken, além de voluntários do programa, profissionais de saúde e interessados no assunto.

Medicação X Vacina

Como ainda não existe vacina contra o vírus HIV, a PrEP é uma tecnologia que impacta diretamente na resposta ao vírus, diz a diretora do DIAHV, Adele Schwartz Benzaken. “A PrEP é uma medicação usada na terapia antirretrovitral.  As concentrações desse medicamento ficam na genitália dos usuários, o que impede que o vírus entre no organismo da pessoa porque inibe uma enzima e faz com que a pessoa não se infecte. Existe uma grande diferença: uma [a vacina] é no sistema imunológico, e esse é um medicamento para a terapia antirretroviral.”

Na opinião de Adele, a adesão é importante para o sucesso da terapia. “O comprimido tem que ser tomado diariamente para fazer essa proteção, pois, se isso não for feito, a concentração do medicamento não é suficiente para inibir o vírus.”

Adele diz que os efeitos colaterais da medicação são apenas gastrointestinais, como náuseas, mas a eficácia é alta. “A taxa de eficácia é de quase 100%, quando se tem a adesão. Depende muito do usuário; não dá para tomar somente um dia. Em países da Europa, a PrEP mostrou-se como uma das terapias mais eficazes para reduzir a incidência, principalmente entre homens que fazem sexo com homens.”

Adele ressalta que o uso contínuo da PrEP não leva a uma tendência de diminuição do uso do preservativo e à incidência de outras doenças sexualmente transmissíveis nos grupos de voluntários observados. “O que alguns estudos controlados têm demonstrado é que a PrEP aumenta a adesão ao preservativo. Também é uma forma de aumentar a cobertura do diagnóstico do HIV, porque as pessoas que têm vulnerabilidade procuram o serviço de saúde para [retirar] a PrEP. Assim a consulta com o profissional de saúde pode levar essa pessoa a incorporar mais vezes o uso do preservativo.”

Investimento

O investimento no programa foi de R$ 9 milhões e permitiu a compra de mais de 3,5 milhões pílulas. “Cada comprimido custou U$ 0,75 para o ministério, e foram adquiridos 9 mil medicamentos para um ano de PrEP”, informa Adele.

Ainda em fase de projeto de pesquisa, a PrEP poderá futuramente ser ofertada a adolescentes. “O estudo vai demonstrar se adolescentes podem tomar o medicamento, se têm adesão, quais são os efeitos colaterais que não são vistos na população adulta. Estamos esperando o resultado desse projeto de pesquisa para tentar incorporar os adolescentes para usarem PrEP também”.

Segundo a diretora DIAHV, até o fim deste semestre, o programa deve chegar a outros estados. “Até julho teremos pelo menos uma serviço em cada capital brasileira.”

 

Mais Notícias
Empresa de Editoração de Jornais e Revistas Ltda-Me Todos os Direitos Reservados.
Rua do Passé, nº 114, Andar 1, Centro- CEP: 43.805-090
Candeias - BA
Fone: 71- 3601-9220 / 71- 98633-1278 /
Email: folhareconcavo@gmail.com